Acabei perdendo tudo o que eu tinha escrito neste post, parece até quando começamos a fazer dieta e aparece um doce em casa. Quando chutamos o balde, uma hora vamos ter que ir lá pega-lo. (Vou escrever tudo de novo, mas vamos lá!)

Nesse contexto eu estou indo lá pegar meu balde, que olhe, foi parar longe! Se cada kg virasse um km, estaria 10km daqui. Hoje, voltando a correr não é tá fácil e 10km é um longão de corrida.

Mas a ideia é pensar sempre em metro por metro, degrau por degrau, assim nós vamos construindo novos hábitos e efetivando mudanças de rotina, habito alimentar e treinos!

A quarentena aqui em casa começou no dia 18 de março, no dia 15 fiz minha última prova de triathlon (sesc triathlon caioba, veja como foi). Estava ótima, melhor peso pós Maya (64kg), me sentindo plena, comendo bem, curada de qualquer compulsão, além da Maya estar na escola, a rotina da casa estar 100% e o trabalho ok!

E de repente PAH, pandemia, coronavirus, quarentena, escolas fechadas, acumulo de tarefa…

Eu não soube lidar, me entreguei. O primeiro mês não fiz NADA DE TREINO, tudo era motivo de “é quarentena”, tudo liberado. Fui trabalhando a psicologia de “esta tudo bem”,

Está tudo bem, engordar;
Está tudo bem, não dar conta de tudo;
Está tudo bem, não treinar;
Está tudo bem, deixar a Maya com celular;

E nessa fui me permitindo e jogando o balde cada vez mais longe. Meu conforto foi a comida, que sempre foi a minha fuga, já tive diversos “problemas”, de bulimia a compulsão extrema tratada com psicologa. E assim, cheguei a ver na balança 73,8kg. O pico da curva da MINHA gordice. Com o COVID ou a curva se estabiliza lá no alto ou ela logo cai, e eu decidi que ela precisa cair. Porque para mim já não estava tudo bem.

Minha autoestima tá lá embaixo, não gosto de me ver no espelho, já não me sinto mais a vontade dentro de mim, se é que vocês me entendem. Resolvi falar e expor números, porque isso sempre foi um tabu. Para mim pesar acima de 60kg era uma vergonha, mas eu só pesei abaixo disso (58kg) quando tive um quadro forte de bulimia. Ou seja, não estava saudável, em 2009/2010.

Tive que chegar nos 30 anos para amadurecer, de fato me conhecer e saber o que é bom para mim. Minha meta não é mais insana de baixar dos 60kg, quero voltar aos 64kg que foi um peso saudável e que bem fez bem. E o mais importante me deu um relacionamento bacana com a comida, que eu acabei perdendo por casa de desculpas da pandemia.

Não me julgo, achei necessário, foi um fase. E como todas as fases, PASSA!

No final de abril, fiz minha conta pessoal no Zwift e me animei de volta aos treinos indoor, virei noia dos pedais virtuais mas seguia comendo. Nesse tempo todo acho que corri 4x, sempre dando uma desculpa. E agora quero voltar.

Quero voltar a me sentir bem, a gostar de mim, a treinar com prazer e resgatar a Luca na sua essência. Porque é quando estamos bem com nós mesmos que as coisas acontecem. Então, ativei a dieta que a minha (irmã) nutri me passou há um mês! Estou colocando rotina de treinos e o mais importante, mudando o hábito alimentar.

A minha mudança alimentar muda a minha casa, minha filha tem 2 anos, o que eu como ela quer comer, ou seja, foi batata frita, bolo de chocolate (boio ati) e tudo de besteira… Hoje ela comeu o brocolis com tanto gosto que fiquei orgulhosa.

Nós estando bem, reflete nas pessoas ao nosso redor, E VICE VERSA!

Então pronto, EU DECIDI MUDAR. E não adiante consulta na nutri, dieta, medico, até remédio se nós não DECIDIRMOS.

DECIDA por um caminho que te faça bem. Se você ainda esta na fase “esta tudo bem” viva ela, porque daqui a pouco ela vai passar. Mas esteja bem. E se você DECIDIR que precisa de mudança, AJA! porque ninguém faz isso por nós a cada dia nosso balda vai estar mais longe! #ficaadica

Obs: Se inspirou e quer começar a fazer triathlon ou a correr e não sabe como começar, quem procurar? Eu tenho um serviço de mentoria esportiva que eu te insiro no mudo do esporte. E se você já é do esporte, posso te ajudar a se reencontrar! VEM COMIGO!

Me manda uma emial: lucaglaser@lucaglaser.com