Race Report – Sesc Triathlon Caiobá 2015

Mais uma temporada aberta. O querido SESC TRIATHLON CAIOBÁ deu mais um show!

Prova lotada, organização nota 100 e torcida animada. Precisa de mais o que para uma prova ser perfeita? Talvez perna e fôlego, mas aí vai um pouquinho além… kkk

Para quem acompanhou meus treinos e releases semanais viu que eu estava evoluindo aos poucos, já estava me sentindo bem nos treinos de corrida e a bike estava começando a encaixar! Achei que a prova do Sesc vinha para confirmar que estamos no caminho certo, mas ela acabou me assustando.

11051170_10206454021176326_360187371_n 11040725_10206454021656338_246638735_n 11042151_10206454021736340_460412805_n 10850698_10206454021496334_769442660_n

Quem compete há mais um tempinho sabe que tem dias que a gente nada e já na primeira bóia vemos que não é o dia. Mas como eu mesma postei e acredito, nós é que temos que fazer do nosso dia um bom dia, do nosso treino um bom treino e de uma prova uma boa prova. Mas confesso que não consegui colocar isso tão em prática hoje…

A largada foi feminina e masculino junto, achei que enfim iria fazer uma prova na bolha, mas eu de fato não consigo achar a bolha perfeita. Mas só o fato de ter homens junto, me ajudou a manter um ritmo forte do início ao fim, sem dar a chance para aquela relaxada de vez em quando. Principalmente na segunda volta que eu nadei no meio do meus dois coachs, Maurício e Fábio.

Bacana, saí relativamente bem da água mas nunca tinha saído tão cansada, sai com dor no braço e nas costelas, tipo na asa mesmo sabem? Parecia que um trator havia passado por cima de mim…. Peguei a bike e fui…. a Isabelle, companheira de equipe, estava logo em segundo lugar e nos juntamos no ciclismo. Revezamos quando eu aguentava, confesso que ela puxou bem mais que eu! Valeu Belle! Mas pelo menos conseguimos sair para correr ainda com um pouco da vantagem da natação.

Na bike tomei meus dois géis que estava programado, uma garrafa de Gu Roctane e uma garrafa de água, tudo certo. Mas na corrida saí para correr  com a perna pesada, aí começou uma leve dor de cabeça e eu “liguei o pisca para a direita”,  na segunda volta já estava em 4º lugar. Aí tampou o meu ouvido e só vinha a voz da Nutri falando os sintomas da desidratação, fiquei neura e e me entreguei de vez. Mas era impossível eu estar desidratada, eu estava até fazendo xixi correndo (pronto falei – é normal tá gente?). Mas quando eu cheguei, pálida e tonta achei que eu ia cair e vi que não era o dia,  aí nada que uma Coca-Cola para me reanimar e pronto-atendimento dos médicos do Sesc. Nada demais, as vezes é só a nossa cabeça que afeta, as vezes nosso corpo não esta pronto, as vezes simplesmente não é o dia…

Lógico que  a gente fica triste, mas todo atleta é feito de perseverança e disciplina, e eu vou me despedir porque amanhã já tem treino logo cedo!

😉 #sóvai #quevenhaapróxima

500 / 1004

1 Comment

  1. 23 de março de 2015 at 12:18

    Boa Luca!!! O importante é mais uma prova completada, fiz uma prova em Caraguatatuba e senti bastante também, relatos como esse nos fazem pensar… isso deve ser normal mesmo… qual foi seu tempo? A minha aki fechei em 2:39, dentro da meta que era abaixo de 2:40…

    Abçs

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Desde 2012 divido minhas experiências como atleta, triatleta, mãe e especialista em marketing! Aqui você encontra dicas para começar a praticar triathlon e um pouco do meu mundo movido ao esporte! Seja bem vindo!

Contato

lucaglaser@lucaglaser.com

@lucaglaser

Copyright © 2020 Luca Glaser